Dividir formas de pagar as despesas é saída ante o IOF

Extraído de: odia.ig.com.br.economia   Janeiro 03, 2014

Analistas financeiros avaliam que elevação de 0,38% para 6,38% do imposto vai aumentar uso de dinheiro vivo no exterior. Confira as dicas de segurança

Rio - A dura tarefa de escapar da tributação maior nos gastos nas férias no exterior compreende dividir as compras entre cartões, cheques-viagem e, claro, dinheiro vivo. A orientação é de especialistas ouvidos após a elevação de 0,38% para 6,38% do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), no dia 27 de dezembro, para o uso de cartões no exterior. Analistas financeiros aconselham, no entanto, buscar locais que ofereçam segurança para levar uma quantidade a mais de moeda estrangeira para fugir da taxação.

Diretor do Grupo Par e especialista em finanças pessoais, Marcelo Maron orienta o turista a pesquisar se o hotel tem cofre no quarto para guardar os dólares. "Dessa forma, fica mais seguro levar uma quantia maior de dinheiro . A pessoa também pode, e deve, ir para a rua uma quantidade menor e necessária para os gastos daquele dia", ensina.

Casas de câmbio cheias: viajante pode levar o equivalente até R$ 10 mil sem prestar contas à Receita
Foto: 

Maron diz que se as pessoas têm dificuldade de controlar gastos vale a pena pagar um pouco mais de imposto para controlar as finanças . "O uso do cartão de débito no exterior gera mais disciplina financeira e segurança. Porém, o brasileiro certamente vai passar a usar mais dinheiro em espécie para fugir desta alta taxa", avalia.

Na comparação com o cartão de crédito, o melhor é usar o de débito que ‘trava’ o câmbio no momento que carregar o cartão. É o que diz Ricardo Meirelles, sócio e economista-chefe do Núcleo de Estudos e Projeções Econômicas da Gouvêa de Souza. "No caso do cartão de crédito, você só saberá a cotação no fechamento da fatura e pode ter surpresas na hora de pagar a conta", explica Meirelles, que criticou a medida do governo. "Esta norma foi um retrocesso. Esta medida faz lembrar a CPMF. Para controlar gastos no exterior ideal seria usar a a taxa de câmbio ", frisa.

Viagem para fora não será afetada

O vice-presidente de relações internacionais da Associação Brasileira das Agências de Viagens (Abav-Nacional), Leonel Rossi, diz que o número de viagens internacionais não vai cair com a alta do IOF. "Nosso parâmetro para esta avaliação é o aumento do dólar em mais de 15% em janeiro de 2013. Isso não reduziu em nada em viagens", explica.

Em nota, a CVC, uma das maiores operadora de viagens do Brasil , informou que a elevação do IOF não deve interferir nas vendas de pacotes para o exterior. "As viagens internacionais são convertidas para reais no ato da compra e parceladas em até dez vezes fixas. A CVC também oferece promoções de câmbio reduzido na conversão de dólar para real, que tornam os pacotes de viagens mais atrativos", diz a nota.

Autor: Henrique Moraes


 
 
Deixe seu comentário



Siga o Ecofinanças