Técnico bancário da Caixa: o que é importante focar em cada disciplina

Extraído de: extra.globo.com.emprego   Janeiro 29, 2014

BANCA -A banca do Cespe é conhecida por fazer provas mais complexas, com perguntas interdisciplinares e texto muito longos na prova de português. O edital prevê o estilo mais conhecido (e temido) do Cespe, com apenas alternativas entre certo e errado, lembra o professor Fernando Bentes, diretor acadêmico do site Questões de Concursos. Quando a afirmação está certa, é mais fácil de o candidato identificar. O problema é quando ela está errada, porque o erro não é fácil de se descobrir, diz o professor.

-Se o Cespe colocasse questões claramente erradas, seria muito simples que o candidato identificasse. Logo, a estratégia da banca é disponibilizar uma frase com informações incompletas ou com um erro sutil, para confundir o candidato. Portanto, atenção é a palavra essencial para que ele possa ter sucesso. Para evitar surpresa, recomendo um estudo baseado em questões de provas passadas da banca. Assim, o candidato poderá aprender o estilo malicioso de pergunta, o padrão teórico de resposta adotado pela banca e terá mais segurança para fazer a prova -completa Bentes.

ADMINISTRANDO O ESTUDO -Para estudar na melhor relação custo benefício, afirma Paulo Estrella, da Academia do Concurso, o candidato deve dividir seu tempo de estudo entre as disciplinas, levando em consideração o peso de cada grupo na prova e o nível de dificuldade de cada disciplina. Só como exemplo, as disciplinas de conhecimentos bancários e atendimento são responsáveis por 68,2% da prova que deve ser proporcional ao tempo destinado ao estudo para o concurso. Estrella reforça que, para aumentar o foco, é fundamental o candidato fazer a maior quantidade de questões do Cespe, essa estratégia reduz a quantidade de surpresas que o candidato encontrará. Algumas disciplinas, como a legislação específica e os conhecimentos bancários, terão poucas questões disponíveis. Para essas, aconselha o diretor pedagógico, o candidato deve continuar trabalhando com provas de outras bancas:

- Na falta de referência, vale as poucas que tem. Esse procedimento vai ajudar o candidato a identificar a importância dos itens dessas disciplinas na prova.

REDAÇÃO -Para a prova de redação, Fernando Bentes recomenda a leitura de livros e crônicas de autores famosos por escreverem bem, como Luís Fernando Veríssimo, Rubem Braga e outros. Além disso, é necessária uma atualização de temas que podem ser cobrados, o que força o candidato a recorrer a jornais, revistas e matérias em bons sites da internet. Se possível, deve escrever uma redação por dia, corrigir os erros ortográficos, pedir para outra pessoa ler e apontar o que está mal escrito, ambíguo, nebuloso ou duvidoso. A regra mais simples de uma redação é ter quatro parágrafos, um para introdução ao tema, dois para seu desenvolvimento e um para conclusão, nunca, com opiniões radicais, estapafúrdias ou ofensivas.

Lilian Furtado, coordenadora do site Gabarita Português, lembra que a redação será de até 30 linhas e o ideal é que o candidato faça um curso teórica para poder entender como fazer uma redação para concursos, que é bem diferente das cobradas nas provas de vestibular.

MATEMÁTICA FINANCEIRA/MATEMÁTICA -Em matemática financeira, o Cespe cobra questões longas que envolvem interpretações misturando mais de um tópico do edital. O aluno deve fazer muitos exercícios da banca e tirar o trauma da matemática aos poucos, diz Carlos Botelho, professor da Academia do Concurso. Os principais conteúdos são capitalização simples e composta, descontos simples e compostos, estudo das taxas , rendas certas e amortizações.

Em matemática geral, o professor Ronilton Loyola, do site Concurso Virtual, acredita que o candidato deve dominar, em particular, os conceitos de fração, razão, proporção, grandezas diretamente e inversamente proporcionais, regra de três e porcentagem. Na parte de matemática Financeira, o programa da Caixa não costuma dispensar nada, ou seja, conteúdos como juros simples e compostos, taxas , descontos, equivalência de capitais, rendas, amortização e investimentos devem ser inteiramente dominados pelo candidato.

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS - Apesar do tema ser matéria obrigatória nos concursos que a Caixa promove, o enfoque desta disciplina vem mudando gradativamente, afirma o professor Edson Avelar, do Universo do Concurso Público. No passado, lembra, se priorizava o conhecimento sobre produtos comercializados pelos bancos e, hoje, o papel do Sistema Financeiro Nacional ocupa o lugar de maior relevância. Assim, o candidato deve atribuir extrema importância ao estudo da estrutura do Sistema Financeiro Nacional, compreender as competências de cada um dos entes participantes e o papel dos bancos na economia nacional como um todo. Muita atenção nos produtos que serão cobrados nesta prova: Minha Casa Minha Vida, FIES,cartões, penhor, loterias e crédito rural. O programa da disciplina porém aborda dois pontos muito específicos: a capacidade civil e as características dos cheques. Ambos os temas são matéria legal e estão presentes no Código Civil e na Lei 7.357, respectivamente.

- No mais, é preciso muito cuidado ao estudar, principalmente por provas anteriores, porque a dinâmica do mercado financeiro é muito grande e é muito provável que questões que foram abordadas em provas (mesmo recentes) hoje em dia estejam em desacordo com novas normas relativas aos sistema financeiro . Atualizar-se, ler a sessão de economia dos jornais também pode ser de grande ajuda.

ATUALIDADES - No que se refere a esta disciplina, a melhor forma de se preparar é acompanhar os acontecimentos do Brasil e do mundo pelos veículos de comunicação, aconselha Melina Campos Lima, professora do site Questões de Concursos. As questões certamente abordarão temas que estiveram em destaque na mídia nas semanas e meses anteriores à prova. Geralmente, diz o professor. ter ciência dos aspectos gerais de cada assunto é suficiente para responder as questões, que não tendem a ser muito complexas. Portanto, é aconselhável que o candidato informe-se o máximo possível sobre as notícias nacionais e internacionais de maior destaque antes de prestar o concurso.

O professor Orlando Stiebler, professor do site Concurso Virtual, diz que exercícios da banca são vitais, mas é preciso priorizar as provas do ano corrente, já que questões antigas perdem o valor dependendo do seu conteúdo. O professor acredita que bons temas seriam: primavera árabe (Síria e Egito), assembleia geral da ONU 2013, reunião de São Petersburgo do G-20, Mercosul e o imbróglio do Paraguai, cúpula de Paramaribo da Unasul, espionagem dos EUA, Programa Mais Médicos, Comissão Nacional da Verdade, eleições 2014, corrupção, sustentabilidade, relatórios do IPCC, economia brasileira, xenofobia na Europa (Grécia), relações estado/igreja, legalização do casamento gay, entre outros assuntos.

LÍNGUA PORTUGUESA -A professora Verônica Ferreira, do site Questões de Concursos, lembra que a Caixa costuma associar a interpretação textual aos conteúdos gramaticais. Também é muito comum associar os aspectos gramaticais à tipologia textual (dissertação, narração etc). Sintaxe e concordância nominal e verbal são temas muito comuns nas provas, principalmente porque a banca quer verificar se o candidato sabe fazer concordância, de maneira que não inviabilize a compreensão textual. Crase é um tema muito comum nas provas da Caixa e sempre levanta dúvidas quanto ao uso. É preciso praticar bastante com provas anteriores, além de ler muito para aumentar a proficiência no conhecimento da língua portuguesa.

ATENDIMENTO -A prova de atendimento traz conhecimentos múltiplos de vendas, satisfação de clientes, marketing, mas, de acordo com a professora Mariana Fittipaldi, professora do Questões de Concursos, o que é mais importante e difícil de estudar são as noções de Direito do Consumidor. O candidato deverá fazer uma leitura atenta de todos os artigos do Código de Defesa do Consumidor, pois as questões costumam usar literalmente a lei seca no concurso. Os artigos 1º ao 7º do CDC tratam de conceitos básicos e merecem ênfase em provas como a da Caixa. Os artigos 12 a 25 do CDC também costumam ser objeto de questionamento, pois tratam da responsabilidade por fato do produto ou serviço e da responsabilidade por vício do produto ou serviço. Os artigos 26 e 27 do CDC que versam a respeito da decadência e da prescrição também merecem atenção, pois os prazos de prescrição e decadência também aparecem com frequência nas questões de concursos. Já os artigos 51 e 54, que versam sobre as cláusulas abusivas e os contratos de adesão, respectivamente, também devem ser lidos com atenção. Relevante destacar, ainda, que o candidato deve ter ciência do teor da Súmula 297, do STJ, que dispôs acerca da aplicação do CDC às instituições financeiras. Ainda em relação às súmulas do STJ que versam sobre direito do consumidor e instituições financeiras, cabe a leitura das seguintes: 296, 293, 285, 286 e 283.

LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA - O candidato deve prestar atenção nas mudanças da legislação do PIS implementadas a partir da Constituição de 1988, bem como a relação entre o PIS e o abono salarial. Em relação ao seguro-desemprego, diz Carlos Arthur, professor do Concurso Virtual, são relevantes os requisitos para fazer jus ao benefícios e as hipóteses de suspensão e cancelamento. Quanto ao FGTS, o candidato deve focar em quem são os beneficiários e quais são as hipóteses de saque.

Autor: O Globo


 
 
Deixe seu comentário



Siga o Ecofinanças